Quinta-feira, 13 de Agosto de 2020
Artigos

Eu e Fernando Lucas

Publicada em 13/07/20 às 19:02h - 21 visualizações

por Edson Mendes


Compartilhe
   

Link da Notícia:

 (Foto: Arq. ALPA/Folha Sertaneja)


A morte de Fernando Lucas, ocorrida ontem por septicemia, aos 73 anos, nos torna todos um pouco mais insignificantes, dada a grandeza de sua simplicidade, de sua generosidade, de sua quase ingênua disposição para o bem, para a família, para os amigos, para o mundo.

Aí por volta dos anos 1968-69 nos conhecemos, e fizemos do Royal Drinks nosso quartel general para discutir a vida, a música e a poesia. Com muita cerveja, é claro. Depois nos separamos, só voltando a nos ver quando, já aposentado do Banco do Brasil, voltei a Paulo Afonso para retomar as velhas discussões com os velhos amigos, em 2016.

Mas não tive tempo para discutir com Fernando, novamente. Não pude lhe dizer que estive em sua cidade natal, Tefé, em 1999, e lá dele me lembrei com saudade. Não tive tempo para lhe perguntar por Lucia. Não tive tempo para falar dos filhos. Não tive tempo para lhe pedir novos acrósticos. Não tive tempo para chorar em seu ombro sobre o sentido da existência, sobre a miséria do mundo, sobre as ilações, as ilusões, as desilusões da vida.

E porque sempre deixei para depois, já não há o depois -  Fernando se foi ontem, e eu, e vocês, e todos os que ficamos por aqui nada mais poderemos dizer ou fazer a ele ou por ele, exceto, quem sabe, talvez pedir que nos ouça e nos diga, de onde estiver, por fim, enfim, se a morte é o fim, ou se o fim é o esquecimento...

Adeus, Fernando.

Edson Mendes

13/7/2020


ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (75) 9234-1740

Copyright (c) 2020 - LETRAS SERTANEJAS